Odisseia

«Mas está oculto no seio dos deuses se voltará ou não, para se vingar deles na sua casa.» (Homero)

Liberdade em tribunal

Posted by atrida em Sexta-feira, Abril 18, 2008

«Odeio as vossas ideias mas lutaria até à morte pelo vosso direito a expressá-las.» (Voltaire)

As nossas sociedades democráticas, sempre prontas a exaltar “exemplos de tolerância” como o de Voltaire, são na verdade exímias em coarctar as liberdades de todos aqueles que se opõem aos seus princípios. É isso que está em causa no julgamento de Mário Machado e seus compagnons de route. Não me identifico com o universo de MM, nunca frequentei o Fórum Nacional e sei que o meio nacionalista está longe de ser um mundo de virtudes, o que de resto nem é de agora. Sei igualmente que o referido meio é useiro e vezeiro em cair nas mesmas esparrelas a que Lenine poderia chamar “a doença infantil do nacionalismo: o radicalismo”, que afugenta tanta boa gente que, por princípio, até estaria propensa a abraçar os ideais do movimento. É realmente aflitivo ver como os anos passam e os nacionalistas, ou pelo menos os que dão mais a cara, aceitam a caricatura que o sistema lhes põe, descredibilizando não uma facção mas todo o movimento.

Sabendo tudo isso não acredito, porém, que o julgamento se deva ao facto de fulano ter chamado “macacos” a membros de certa raça, ou que certo membro de estalo do Bloco de Esquerda tenha sido ameaçado em plena rua. Por muito reprováveis que esses actos sejam, o regime (sim, porque classe política e judicial formam um todo que, mais do que servir o país, se serve dele para impor as suas nefastas ideias – ou para se locupletar de alguns dos seus escassos recursos) está na verdade a atirar poeira para os olhos das pessoas.

Estamos a viver uma época em que a classe política impõe às operadoras de telecomunicações a manutenção do registo de chamadas telefónicas por um ano; em que um professor que chamou em privado filho da p… ao primeiro-ministro arriscou a demissão; em que a comunicação social fala a uma só voz, qual Granma descentralizado em várias redacções; em que se tornou crime defender o próprio país, o seu povo e as suas tradições; em que se impõe um modelo de vida, um pensamento (na verdade, falta dele) único; em que criancinhas na escola são incentivadas a denunciar colegas que comem chocolates, contrariando os princípios da vida saudável (da qual, pelos vistos, fará parte a bufaria); em que os técnicos oficiais de contas devem, por lei, denunciar os próprios clientes que incorram em estratégias fiscais – mesmo que legais – que impliquem menos receita para o Estado. Segundo o princípio da relação inversa de Sir Humphrey, na política actual quanto menos se procura defender algo mais se fala nisso – e a liberdade é o melhor exemplo da hipocrisia contemporânea, que procura rebaixar o homem a um ser submisso, sem raízes, complexado – um escravo, em suma.

Os que ora estão a julgamento, à sua maneira – a meu ver errada – lutam contra este estado de coisas. Ao cair na armadilha do espalhafato juvenil, da violência verbal e física, afugentam do nacionalismo as pessoas bem intencionadas, que niilisticamente aderirão à abstenção – eleitoral e de acção. E reforçam o sistema.

Anúncios

3 Respostas to “Liberdade em tribunal”

  1. RB said

    Concordo com a análise, excepto num ponto: não consigo entender, em que aspecto é que os nacional-socialistas podem ser tidos como nacionalistas (para além da denominação adoptada). Racistas sim (ou racialistas, como demagogicamente se intitulam), agora nacionalistas?! Para mim são tão internacionalistas como os comunistas.

    E sim, tem toda a razão, são esses pseudo-nacionalistas que descredibilizam aqueles que o são.

  2. Rafael Castela Santos said

    Sabia reflexión que debería conducir a quienes verdaderamente defienden la Patria portuguesa y sus tradiciones a desembarazarse de esos “racialistas”, neopaganos antitradición portuguesa y demás gentes afines.
    Dicho esto sólo se puede entender todo este aparato mediático-político-jurídico como una deriva más hacia el totalitarismo. Quien crea que hay verdadera democracia hoy día, apañado va.

    RCS

  3. Anónimo said

    Muito bem visto!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: