Odisseia

«Mas está oculto no seio dos deuses se voltará ou não, para se vingar deles na sua casa.» (Homero)

Archive for the ‘Portugal’ Category

Ainda há portugueses?

Posted by atrida em Terça-feira, Janeiro 11, 2011

Uma questão recorrentemente abordada por quem ainda sonha ver Portugal reencontrar já não digo a glória de antanho mas ao menos a dignidade de uma Nação independente prende-se com o carácter dos portugueses. “No dia em que os portugueses…”, “quando os portugueses estiverem à altura dos seus antepassados…” e outras fórmulas semelhantes denotam a esperança em que saibamos um dia voltar a ter um comportamento enquanto povo digno do nosso passado.

Sem querer ser catastrofista: será isto ainda possível? Esquecendo por agora os constrangimentos derivados da nossa imersão na união soviética europeia e do descalabro financeiro que sofremos na pele, será que “os portugueses” de hoje têm algo em comum com os que honraram o nome Portugal?

A meu ver, muito pouco. Os “etnicistas” dirão logo que somos a continuação do sangue dos nossos antepassados e como tal tudo é possível. Pode-se discutir esta questão ad eternum, sem conclusões claras. Para mim, de pouco vale “o sangue” se o carácter de um povo está corrompido, degradado, decadente. Da mesma forma, haverá muitos povos por esse mundo fora que sentem Portugal (que os abandonou) mais intensamente que muitos portugueses.

Não se trata aqui de defender qualquer política de miscigenação, que só faz as delícias dos mundialistas que sonham com a liquidação das nações. Trata-se apenas de constatar que critérios biológicos de pouco ou nada servem para assegurar a continuidade de uma Nação. O que é importante é assegurar a nobreza do povo, elevar o seu nível cultural, fazê-lo exaltar as glórias passadas, percebendo os sacrifícios por que foi necessário passar e anelando nele outras aspirações maiores que ter dinheiro para estourar no shopping.

Esperar que uma “reserva índia” resolva os problemas do nosso futuro como Nação é um logro.

Posted in Portugal | 6 Comments »

Por fora

Posted by atrida em Segunda-feira, Abril 14, 2008

É sempre um pouco estranho voltar a Portugal depois de uns dias de ausência. Durante uma curta temporada desligamo-nos dos problemas caseiros, de que nos vão chegando uns ecos via família ou amigos. Trata-se quase sempre de notícias que nos fazem dar graças da distância!

O facto de o local onde estanciamos fervilhar de notícias tão ou mais gravosas não parece ter demasiada importância. Por muitas afinidades que encontremos no país de acolhimento temporário, os seus problemas não são os nossos, aparecem-nos esbatidos não pela distância geográfica mas pela noção de que fazem parte de outro mundo.

Eça de Queirós tinha uma narração muito curiosa, em que caracterizava um serão entre pessoas conhecidas. Uma delas ia lendo no jornal as desgraças da época, que são as de sempre: guerras, desastres naturais… A assembleia ia ouvindo meio distraída, até que, chegando à secção “Sociedade”, se tomava conhecimento de que a senhora Fulano de Tal tinha tido um acidente e fracturara já não recordo bem o quê. Aí foi a comoção geral da assembleia, todos votando comovidamente as melhoras da amiga e conhecida, e esquecidos já os milhares de chineses que morreram em mais uma inundação do Rio Amarelo…

E cá estou eu, de volta ao país que discute pontes sobre o Tejo, violência nas escolas, assessores para os deputados, prisão para skinheads, a crise em certo clube, míseros seis pontos que se pode retirar a outro por “corrupção não consumada” – essa figura pseudo-jurídica criada à medida por uma Liga de Clubes bem domada (será que a esposa enganada será mais benevolente para com o marido que não consumou uma relação adúltera por si desejada?…) -, no meio de explosões de gás, assaltos à mão armada e outras ocorrências indignas de um país de brandos costumes…

Posted in Portugal | Com as etiquetas : | 2 Comments »