Odisseia

«Mas está oculto no seio dos deuses se voltará ou não, para se vingar deles na sua casa.» (Homero)

  • Artigos Recentes

  • Arquivos

  • Comentários Recentes

    hdocoutto em Para acabar de vez com o mito…
    Fernandes em Para acabar de vez com o mito…
    Rui tojal em Para acabar de vez com o mito…
    afmsjksua@gmail.com em Dostoievski sobre os jude…
    Aalborgsteamcarwash.… em “Imigrante ambiental…
  • Blog Stats

    • 80.334 hits

Posts Tagged ‘O meu irmão é filho único’

“O meu irmão é filho único”

Posted by atrida em Terça-feira, Julho 22, 2008

Vi ontem o filme italiano “O meu irmão é filho único”. Trata-se de uma obra muito interessante, cuja acção se desenrola nos turbulentos anos 60. Dois irmãos, Manrico (um nome cuja conotação verdiana não será ocasional, até pela forte ligação que tem à mãe, evocadora de Il Trovatore) e Assio, um comunista e o outro fascista (este, militante do MSI), digladiam-se amiúde, inicialmente por motivos familiares, depois por motivos políticos e finalmente por motivos amorosos (ambos gostam da mesma mulher, também militante comunista). Vivem na cidade de Latina, burgo fundado pelo fascismo em 1932 com o nome Littoria (adoptou o nome actual em 1946).

Há alguma tendência para a caricatura das duas posições políticas, nomeadamente, como era de esperar, a fascista: os militantes missinos aparecem como não especialmente evoluídos, com uma forte tendência para a pancadaria e os desacatos contra os comunistas; Mario, o vendedor de atoalhados que inicia Assio nas virtudes do regime mussoliniano (“deves fidelidade aos amigos, fidelidade à Pátria e fidelidade à Ideia”; “Il Duce tirou aos ricos para dar aos pobres, alguma vez alguém fez isso?”), expressa o seu fervor ideológico por meio de fórmulas curtas, não elaborando o discurso. Não falta, no filme, a peregrinação a Predappio, local onde nasceu o Duce

Mas os comunistas também não são especialmente favorecidos, de que o exemplo (de um cómico impagável) é o coral do último andamento da Nona de Beethoven (em execução para as massas, pois “a arte individual é simples masturbação”, grita Manrico), em que a Ode à Alegria de Schiller é “desfascistizada” (sic!), substituindo-se-lhe uma ode aos grandes líderes comunistas, de Mao a Estaline!

Fidelidade não é o forte de Assio, que rompe com o fascismo de uma forma violenta. A sua preocupação de infância, “aiutare i ultimi” (auxiliar os mais desfavorecidos), não lograda via fascismo nem via comunismo, tem a sua consecução num acto apolítico mas extremamente eficaz em termos sociais. Uma conclusão que não agradará aos ortodoxos de ambos os campos mas que o filme caracteriza com mestria e alguma poesia contida.

Não sendo uma obra-prima, “O meu irmão é filho único” é uma película a não perder, pelo retrato de uma época conturbada, pelos dilemas de uma juventude, pelos dramas sociais não resolvidos pelo boom industrial italiano do dopoguerra, por momentos de humor irresistíveis, pela interpretação soberba dos actores e por jorrar italianidade por todos os poros.

Posted in cinema, comunismo, fascismo, Itália, O meu irmão é filho único | Com as etiquetas : , , , , | 1 Comment »